Páginas

quarta-feira, 7 de maio de 2008

Dia de piriri

Alguma coisa mais incômoda do que estar com piriri?
Na verdade não estamos prostrados na cama, não é o caso.
Nunca conheci ninguém que tivesse sido internado no hospital por causa de um reles piriri. Por isso mesmo não é um doença que inspire a compaixão dos outros.
No máximo pode despertar um risinho de chacota, talvez porque fiquem imaginando a gente sofrendo sentado no trono. Coisa mais ridícula...
Ah... o ser humano que se diz tão excelso, capaz de coisas tão sublimes é derrotado por uma bacteriazinha atrevida.
Não tenho vontade de fazer nada. Se começo a fazer, logo vem a dor de barriga. Meus pés estão suando frio e sinto meu estômago embrulhado.
Já tomei litros de soro caseiro, chazinho disso, daquilo. Nessa hora todo mundo vira médico. Todo mundo tem uma receita infalível: De médico poeta e louco, todos nós temos um pouco.
O problema é que nesta hora do pipriri o poeta foge bem longe, quem sabe para Pasárgada; os médicos aparecem aos montes e ao louco aqui resta muito pouco, como escrever sua miséria...

3 comentários:

Sarita disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Sarita disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Sarita disse...

Frei Marcos,descobri seu blog por acaso ,ouvi as 4 musicas .Lindas .
Enviei imail para Editora Ave Maria,disseram que não tem mais o cd. Moro em Flopianópolis ,como posso adquirir?
Obrigada
Shalom.

2 de julho de 2009 03:45